Follow by Email

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Represas

A represa do Cabuçu em Guarulhos

 

A represa do Cabuçu teve suas obras iniciadas em 1905 e concluídas em 1907. As represas do Cabuçu, Barrocada e Engordador formavam o Sistema Cabuçu. Das três represas somente a do Cabuçu está dentro do município de Guarulhos.
A área da bacia do Cabuçu tem 24 km2, o Barrocada tem 8,5 km2 e Engordador tem 9,6 km2.
ACE
Costado da barragem arco gravidade, do Cabuçu, tirada pelo engenheiro Plínio Tomaz durante a seca de 1969.
Na época era Diretor da Repartição de Águas da Capital o engenheiro Arthur da Motta, o mesmo que em 1910, inaugurou a barragem do Barrocada.
Foram construídos cerca de 16,6km de aqueduto em concreto armado, com 1,20m de diâmetro, ligando o Sistema Cabuçu à Estação de Tratamento de Água do Mirante em Santana com vazão prevista de 43.400m3/dia (502 litros/segundo).
A maioria do aqueduto encontra-se sob o solo, mas existe um trecho localizado perto da Chácara do Biondi no Jardim Palmira na estrada do Cabuçu em Guarulhos, onde há um túnel que poucos conhecem.

Plínio Thomaz
Aqueduto do Cabuçu feito em concreto com cimento vindo da Inglaterra.
Havia trechos da bulação de concreto que foi construído em túneis e sifões com pressão de até 27 metros de coluna de água.
A barragem do Cabuçu foi construída inteiramente com concreto armado e é considerada em todos os livros de engenharia, a primeira grande obra pública que empregou o concreto em larga escala (História da Engenharia no Brasil- Pedro Carlos da Silva Telles). Barragem, adutora, condutos livres, condutos forçados, etc, foram construídos em concreto.
O concreto usado na barragem do Cabuçu vinha da Inglaterra, em barris de madeira. Um engenheiro da Sabesp uma vez achou um barril esquecido num poço de visita e me mostrou a fotografia.
Os arqueólogos industriais Dalmo e Mena em suas pesquisas me informaram que o livro que serviu de referência para o projeto da barragem de concreto do Cabuçu denomina-se: "The design and construction of dams" escrito por Edward Wegmann, C.E. que pode ser achado na Biblioteca da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo.
Quem dirigiu as obras do Cabuçu foi o engenheiro Luiz Betin Paes Leme que era o chefe da Comissão de Obras Novas de Saneamento e Abastecimento de Águas da Capital, criada em 1905.
O engenheiro Luiz Betin Paes Leme foi formado na Europa e foi ele quem introduziu o concreto armado no Brasil com as obras do Cabuçu.
O primeiro edifício de concreto armado feito no Brasil data de 1909 e situada na rua Direita esquina com rua São Bento com dois pavimentos construído por um arquiteto Italiano chamado Francesco Notarabeto.
A represa do Cabuçu ficou famosa, pois devido a pressa de inauguração, não foi feito o desmatamento necessário e houve problemas de ácidos úmidos e fúlvicos dificultando o tratamento da água. Isto era constantemente repetido pelos professores nos cursos que fiz na Faculdade de Saúde Pública. A represa foi esvaziada e retirada toda a vegetação existente.
Um engenheiro da Sabesp que fazia pesquisas históricas sobre o Engordador quando tudo aquilo estava completamente abandonado me mostrou um copia do jornal "O Estado de São Paulo", quando a represa do Cabuçu foi inaugurada a manchete "Água para o ano 2000", mas o tempo mostrou que seria insuficiente para a capital.
O volume de água da represa do Cabuçu é de 1.776.000 m3 com vazão firme de 371 litros/segundo. 
Em 7 de maio de 1929 o município de Guarulhos abriu mão do Cabuçu através do convênio Guarulhos-governo do Estado de São Paulo.
Em 1977 o sistema Cabuçu foi desativado pela SABESP e em 1992 foi concedida outorga ao município de Guarulhos por 30 anos dos mananciais do Cabuçu, Barrocada e do Tanque Grande.
A Capela do Senhor Bom Jesus do Cabuçu próxima à represa do Cabuçu foi executada em 1850.
Hoje a represa do Cabuçu é administrada pelo SAAE de Guarulhos, havendo uma estação de tratamento de água a jusante da barragem e a água é distribuída na região.

Fonte Ace-Guarulhos

=

De onde vem a água que abastece Guarulhos

 

Vem de um conjunto de barragens que  estão em Mairiporã , Nazaré Paulista e região, com aproveitamento dos rios: Juquerí, Atibainha, Cachoeira e Jaguarí. As varias barragens estão interligadas por tuneis e canais abertos e recebem o nome de Sistema Cantareira.
Guarulhos recebe ainda água do Sistema Alto Tietê da barragem do Taiaçupeba.
O tratamento de água de todo o Sistema Cantareira fica no Guaraú,  perto do Horto Florestal. É a água de melhor qualidade distribuída na  Grande São Paulo do que a fornecida pelo Manancial  do Guarapiranga, que recebe bastante contaminação de esgotos sanitarios.
Por curiosidade há 800.000 pessoas ocupando a área de preservação do Guarapiranga.
O rio Tietê poluído que está junto a Guarulhos não fornece e nem nunca forneceu água para nenhum serviço público na nossa região, isto e', a Região Metropolitana da Grande São Paulo-RMSP, a não ser quando se usam  as águas das cabeceiras do Tietê, que é limpíssima, como é o caso da Barragem da Ponte Nova. Quanto a barragem do Taiaçupeba apresenta problemas de algas cianofíceas que podem ser tóxicas.
O SAAE de Guarulhos também possui duas estações de tratamento de água (ETA):  Tanque Grande e Cabuçu.
A ETA Tanque Grande abastece a região do Jardim São João e a ETA Cabuçu a região do Cabuçu e Recreio São Jorge.

Quantas barragens existem em Guarulhos para aproveitamento de água potavel ?

Dentro de Guarulhos temos três barragens, a  represa do Cabuçu, a do Tanque Grande (perto do Jardim São João) e a do Ururuquara (Taboão).
Existem outras barragens que são aproveitadas para laser, criações de peixes ou para uso industrial, como é o caso da fábrica de cerveja Skol.
Atualmente são aproveitadas a barragem do Tanque Grande e Cabuçu.
A represa do Ururuquara abasteceu desde 1941 o Instituto Padre Bento localizado em Gopouva. Atualmente encontra-se abandonada, devido a adutora que era de cimento-amianto e pequeno volume de água.
A represa do Cabuçu é a maior de tôdas e está sendo aproveitada pelo SAAE- Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Guarulhos.
Vizinho a Guarulhos temos duas barragens, a do Engordador (perto do posto de gasolina 555) e data do século XIX e a do Barrocada construída em 1910 e que fica perto da Pedreira Firpavi.
O SAAE possui concessão por 30 anos a contar de 1992 para utilização para abastecimento de água de água potável das Barragens do Cabuçu,Tanque Grande e Barrocada.

Curiosidade sobre a represa do Cabuçu

A barragem do Cabuçu teve inicio em 1905 e terminou em 1907.
É considerada uma das primeiras grandes obras de concreto armado feita no Brasil. Era Diretor da Repartição de Águas da Capital o Eng Arthur da Motta, que em 1910 fez  a barragem do Barrocada localizada na capital na divisa com Guarulhos.
O concreto usado na barragem do Cabuçu vinha da Inglaterra em barrís de madeira. Foram construídos cerca de 17 km de aqueduto (adutora de água sem pressão) em concreto armado com 1,2 m de diâmetro, ligando a Barragem  do Cabuçu a Estação de Tratamento de Água do Mirante de Santana na  Capital.
A represa do Cabuçu também ficou famosa, porque devido a pressa de inauguração não foi feito o desmatamento, ocasionado problema no tratamento da água, sendo obrigado a ser esvaziada e cortado e retirado todo o mato dentro da mesma.
Consta no jornal Estado de São Paulo, que quando a mesma foi inaugurada, a manchete era "Água para o ano 2000", mas o tempo mostrou que a  mesma era insuficiente para a Capital.

Curiosidade sôbre a Represa do Ururuquara: primeiro abastecimento de água de Guarulhos

A barragem do Ururuquara localizado no Taboão foi feita em 1941 pelo famoso eng. José Martiniano de Azevedo Netto, um dos maiores engenheiros sanitaristas do Brasil.
O  mesmo me afirmou que o referido projeto foi o primeiro de sua carreira. A adutora era para ser feita em ferro fundido, mas devido a segunda guerra mundial, a mesma foi feita de cimento-amianto.
Não havia tratamento da água e sim somente uma desinfecção com cloro realizada  no antigo reservatório de Gopouva que ficava na esquina da rua Cônego Valadão com a avenida Emilio Ribas.
Há vários anos o Sistema Ururuquara foi abandonado, sendo anti-economico o seu aproveitamento devido aos elevados custos, face aos benefícios que se pode ter da obra, devido a pouca quantidade de  água fornecida pela mesma.
A represa do Ururuquara pode ser considerado o primeiro abastecimento de água potável de Guarulhos e o segundo foi a represa do Tanque Grande que foi feita em 1958 pela  família Guinle  com objetivo de abastecer a Cidade Satélite Industrial de Cumbica, sendo posteriormente  desapropriada amigavelmente pelo governo do Estado de São Paulo, e a água destinada  ao abastecimento público de Guarulhos pelo prefeito Mário Antonelli.
O Sistema Cabuçu compreendida três barragens: Cabuçu que era a maior, bem como a represa do Engordador e da Barrocada.
O Sistema Cabuçu começou a operar em fins de 1907 e toda a água ira para a Capital, não restando nada a Guarulhos.

Fonte Ace-Guarulhos
Eng Plinio Tomaz
Diretor de Recursos Hídricos e Meio Ambiente


Nenhum comentário:

Postar um comentário